17/02/12



Ela: Não pareces muito bem...
Ele: Deve passar...espero...
Ela: Não há nada que não passe ...
Ele: O problema é as marcas que deixa.
Ela: Saram com o tempo ...
Ele: As cicatrizes não desaparecem, sabes bem disso.
Ela: Essas não , mas servem para mais tarde te lembrares do passado se precisares, todas elas contam histórias , é complicado ao principio olhar-mos para elas, levam-nos onde não queremos ir , mas com o passar do tempo, já quanse nem lhes da-mos importancia , tornam-se apenas sinais, pouca confusão nos vão fazer .
Ele: Eu sei... Quase todos os dias dou de caras com elas.
Ela: Pois , mas daqui a uns tempos, tornam-se estranhas , vais olhar para elas e dizer onde , quando a fiz , não podemos alterar o passado, com muita pena minha. 
Ele: Dou-me com todas, das mais velhas as mais novas, nunca estranhas mas sim reconheciveis, a minha memoria delas sempre esteve vivida. É contragedor, mas cada dia vou tolerando mais e mais, e cada vez mais elas aparecem. Não me importo, muitas vezes não quero saber, tento pensar um pouco positivo para equilibrar as coisas, já é habito um que desenvolvi e não consegui ainda perder, pode ja não evoluir da forma violenta como evoluia antes, mas está cá. Pode chegar a um ponto critico mas eu não quero saber, vou apenas aguentar-me, e pensar positivo mesmo sabendo que nada está bem.
Ela: Quantas e quantas vezes tenho de o fazer, pensar positivo sabendo mesmo que não adianta? até perdi a conta... Tens de aprender a evitar magoares-te , tal como eu, tens de pensar mais um pouco antes de agires  e cometeres erros que te afectem , acredita por tanto pensar nos outros que nem um pingo da minha bondade mereciam  acabei por me afectar bastante, aprendi então a ser um pouco egoísta para os que merecem, não me arrependo.
Ele: Primeiro eu aprendi a evitar.
Ela: Tens de fingir , mentir-te a ti mesmo quando te questionares  sobre as tuas cicatrizes , fingir que não sabes , arranja métodos experimenta só assim conseguirás ser superior a elas e fazer com que elas não passem de sinais.
Ele: Elas não são superiores a mim, mas doiem na mesma. É isso que sinto percebes??? Ja tive essa fase delas serem superiores.
Ela: Ai está elas conseguem ser superiores, causam-te dor , e tu só tens de ser superior a ela.
Ele: A dor é algo que me vai deixando indiferente, as vezes até me ajuda. Vou ser sincero, as vezes faço com que elas me provoquem dor propositadamente.
Ela: A mim ajuda-me quando olho para ela e penso que já tive dores piores.
Ele: Eu aprendi bem a controlar estas coisas, ao ponto de usa-las a meu favor mesmo que parece egoista da minha parte, basicamento eu brinco com as minhas emoções, dependente das situações. A minha força vem delas, sempre veio.
Ela: Eu evito, tenho medo da dor , dai afasta-la , tira-la de mim. 
Ele: Se agora me achas maluco por fazer isto a mim proprio, tudo bem não vejo porque não, mas é algo que me fascina no que é capaz de fazer.
Ela: Esqueço-me das minhas cicatrizes as vezes é muito dificil mas consigo evita-las e ser acima delas isso da-te prazer, se te dá, então só tens de continuar , se é isso que te ajuda a ganhar forças para superar mais , então força deves continuar, cada  um tem o seu método, eu sofro quando os outros sofrem é um dos meus pontos fracos , a dor ... mas é vida ...

2 comentários:

  1. gosto muito (:
    http://trueofmyhistorylife.blogspot.com
    vê se gostas (:

    ResponderEliminar
  2. Adorei esse texto! (e para nao falar do cover dos The XX - Shelter que adoroo *.*)
    Estou a seguir o blog. :)
    Quando poderes dá uma olhada no meu
    paradoxopsicologico.blogspot.com

    ResponderEliminar