22/04/12


         Magoada, ferida, com cicatrizes que jamais desapareceram, a pobre rapariga voltou a tentar, ainda guardava uma pequena esperança, ela tinha medo, medo de se iludir, de sair novamente magoada, mas ela gostava dele então arriscou, ele fazia-lhe feliz, ele conseguiu ensinar-lhe o que era amar de novo e ela aprendeu como se fosse a primeira vez. Ela só precisava de se sentir segura.

2 comentários:

  1. Adoro princesa! E é sempre bom saber em quem te inspiraste para escrever isso (:

    ResponderEliminar