24/08/13


[...] então ela pegou no papel e na caneta, e o que não conseguiu dizer, escreveu nele... Quando terminou, simplesmente amassou-o, levantou-se, e avançou até à lareira que se encontrava acesa em lume brando, lançou o rabisco para o meio da chama e esta incendiou-o, com os seus tons alaranjados, amarelados e vermelhos, como se naquele momento a lareira tivesse sentido o que se encontrava escrito no rascunho, pareceu reacender-se, tornando-se maior e mais forte... Ela que se encontrava sentada na poltrona a ver o papel queimar, levantou-se, dirigiu-se ao espelho perto da porta da rua e ajeitou os seus cabelos, finos, lisos e leves, acastanhados, e depois de  pegar nas chaves do carro depressa saiu. Agora livre, aliviada e mais forte, pronta para recomeçar um novo capítulo.

Sem comentários:

Enviar um comentário